terça-feira, 6 de setembro de 2016

Ainda somos índios

Resultados da pesquisa por facebook album 1140969159294177  colagem 2.jpg
Fotos: Evaldo Silva \ Pinacoteca do Estado - Encontro Litero Musical da SPVA/RN
02/09/16 - Natal/RN


Ainda somos índios
PDF 722

Mesmo com toda tecnologia na palma da mão, com roupas de marcas, e acessórios de grife, o índio continua sendo um índio. Um índio atualizado com as tecnologias, hábitos e costumes atuais. Tal como aconteceu com chineses e japoneses que não abandonaram ou esqueceram seus costumes, que construíram suas culturas. E são conhecidos e reconhecidos pelos seus hábitos e costumes milenares. Não é uma exclusividade nossa, ver nativos com ares de “civilizados”, assim como não somos totalmente “civilizados”.


Nosso dia a dia ainda esta repleto de costumes e hábitos indígenas. Seja ao deitar em uma rede depois de comer um mingau, um cuscus ou uma tapioca. Acordar e tomar um banho frio. Antes de sair, de um abrigo, observar o tempo.


Ao longo do tempo percorrido pela história sofremos muitas influencias, e absorvemos outros costumes, mas a essência continua indígena. Com traços no DNA e marcas no sangue. Na praia, os hábitos de quase sem roupas, ainda podem causar espantos e estranhamentos em povos estrangeiros.


E até a história seguiu o caminho da ciência, estabelecendo datas cronológicas para registrar tudo que lhe interessava, de acordo com pontos de vistas que poderiam fortalecer os donos da história. A história define um momento temporal, um local no espaço e autores de uma empenho ou façanha, criando uma tridimensionalidade histórica: onde? quando? e quem?. O porque? também é criado de acordo com os interesses..


A ciência foi buscar as plantas, para conceituar suas curas e profilaxias, com o uso de suas próprias teorias. Descobriu princípios ativos e criou formulas sintéticas. Tentou patentear produtos que somente a natureza produz, para evitar concorrências e novas descobertas.


Ao estudar folclore e cultura popular; ao receber visitas de índios escritores e artistas, percebemos que ainda somos índios. E os índios que ainda vivem em ocas e nas tribos, são os atuais responsáveis pelo perpetuamento e conservação da cultura original. E os descobridores, invasores e colonizadores tentaram dizimar.  Tentaram eliminar os arquivos, para não existir uma história, perpetuada no tempo.


Os índios, silvícolas ou nativos, são mídias vivas que transferem e guardam hábitos e costumes, arquivos com informações e conhecimentos. São uma biblioteca, são arquivos vivos, capazes de falar e se expressar. Enquanto que a escrita e a tecnologia, criam arquivos mortos, onde é necessário alguém, para criar programas para administrar, processar e manusear os dados arquivados..

Os índios que ainda vivem e interagem com a natureza, com a sua resiliência, são os elementos e personagens capazes de recuperar o planeta, que a ciência destruiu trabalhando a serviço, em nome da economia e do desenvolvimento.


06/09/2016Maracajá.jpg
Roberto Cardoso (Maracajá)
Reiki Master - Karuna Reiki Master


Texto disponível em:
http://www.publikador.com/sociologia/roberto-cardoso-(maracaja)/ainda-somos-indios

Fotos: Evaldo Silva \ Pinacoteca do Estado - Encontro Litero Musical da SPVA/RN
02/09/16 - Natal/RN
disponivel em:



LOGOS FORUM MARACAJA amarelo.jpg

3 comentários:

  1. Parabéns pelo belo artigo Roberto Cardoso!!!!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo belo artigo Roberto Cardoso!!!!

    ResponderExcluir
  3. Amei este artigo, parabéns Roberto Cardoso! Somos todos índios mesmo!

    ResponderExcluir